O céu/the sky

23 Junho - Super Lua/ Super Moon the biggest full moon of the year - 23 June This full moon is not only the closest and largest full moon of the year. It also presents the moon’s closest encounter with Earth for all of 2013. The moon will not be so close again until August, 2014. In other words, it’s not just a supermoon. It’s the closest supermoon of 2013. A Maior Lua do Ano: Não é apenas a maior lua cheia do ano de 2013 mas também será o dia, de todo o ano de 2013, em que a lua se encontar mais perto da terra; isto só voltará a acontecer em agosto de 2014. 


O céu em Julho/Agosto:


O céu em Junho:






O céu em Maio:










O céu em Abril:



Embora já muito perto do horizonte, a Oeste, a constelação de Orionte continua visível ao princípio da noite. A sua estrela mais notável- Betelgeuse- apresente-se, como sempre, de brilho intenso e coloração avermelhada. Abaixo dela stiua-se a estrela mais brilhante de todo o céu- Sírio-, que fica também abaixo de outra de brilho considerável- Prócion-, a sétima estrela mais brilhante, das que se avistam de Portugal. Com estas três estrelas, é possível imaginar um triângulo enorme, aproximadamente equilátero, e que vai tombando para Oeste com o decorrer da noite.


Entretanto, no lado oposto, avista-se Espiga, a Estrela mais notável da constelação da Virgem e um pouco menos brilhante que Prócion. Um observador voltado para a aEspiga saberá que tem à sua frente o ponto cardeal Este e verá, um pouco mais acima, a Ursa Maior, com as sete estrelas mais brilhantes a surgirem mais um papagaio de lançar ao vento do que uma ursa. A curvatura sugerida pelas estrelas da cauda da Ursa Maior permite imaginar uma porção de arco de circunferência que, orientado para a Espiga, "obriga" a passar por Arcturo, uma outra estela de brilho intenso e cor avermelhada, à semelhança de Betelgeuse.


Os dois únicos planetas observáveis ao princípio das noites situam-sepracticamente a Sul, ficando Marte um pouco para a direita e Saturno ligeiramente à esquerda do referido ponto cardeal. No dia 12 de Abril (deste ano), a Lua alcançará a fase de Quarto Crescente e situar-se-á francamente à esquerda de Marte, mas ainda longe de Saturno. No entanto, três dias depois será a vez do nosso satélite natural se colocar à esquerda de Saturno, embora então mais "próximos" do plantea dos anéis do que havia estado de Marte.


Passados mais cinco dias ocorre a fase de Lua Cheia e será a Espiga que ficará lado a lado com a Lua.




O céu em Março:



O aspecto mais notável do céu de finais do Inverno é o facto de a constelação de Orioente (e de todas as que se situam à sua volta) se situar francamente no quadrante de Oeste, ou seja, bem à direita da direcção Sul. Na verdade, tais constelações são designadas "constelações de inverno" por, no início dessa estação do ano, se avistarem durante toda a noite, o que já não acontece agora. Com efeito, bem antes do nascer do Sol já a referida região da esfera celeste mergulhou no horizonte, a Oeste.
Este como que "tombar" do céu para Oeste (quando observado à mesma hora) resulta da translação da Terra e do consequente movimento aparente do Sol que, colocando-se à frente de estrelas progressivamente mais para Este, faz com que elas se vão escondendo no horizonte nos lados de Oeste, enquanto outras vão surgindo no lado oposto. Por isso é bem visível, a Este, a constelação do Leão, agrupamento de estrelas que há um ou dois meses só se observava uma ou duas horas depois do pôr-do sol.
O mesmo movimento da Terra, faz com que, no lado norte, se aviste agora a Ursa Maior muito mais elevada, ao passo que a Cassiopeia se encontra mais próxima do horizonte.
Quanto aos planetas visíveis ao princípio das noites, Saturno continua (quase) estático no Leão, surgindo mais cedo do que no mês passado, pela mesma razão que a constelação se tornou agora visível. Entretanto, Marte terminou a sua retragradação, movimento em sentido contrário ao que geralmente apresenta no céu e o que o fez "aproximar-se" da estrela Alnath, a que marca o vértice inferior esquerdo do que parece um enorme pentágono desenhado pelas cinco estrelas mais brilhantes da constelação do Cocheiro. Agora, o planeta vermelho retomou o seu normal sentido de deslocamento, " afastando-se" progressivamente de Alnath em direcção à constelação dos Gémeos.
Como sempre, a Lua vai percorrendo a faixa da esfera celeste onde se encontram os planetas, razão por que algumas vezes se "encontrará" com eles. Assim, em Março (deste ano) o Quarto Crescente da Lua ocorrerá com o nosso satélite natural projectado no céu ligeiramente acima de Marte e, cinco dias depois, passará um pouco abaixo de Saturno. Depois, no dia 21, será Lua Cheia e ver-se-á então a Lua na direcção de estrelas da constelação da Virgem, francamente à esquerda da posição em que, no mês passado, se encontrava na noite do eclipse.


O céu em Fevereiro:




O céu em Janeiro: